Reflexões sobre comunicação, desinformação, estratégias do discurso de informação, atuação da imprensa e letramento midiático

ELEIÇÕES 2022: Pesquisa Quaest aponta subida de Bolsonaro

Para além das intenções de voto, a pesquisa revela uma melhora na avaliação de Jair e de seu governo de um modo geral, em vários agrupamentos e regiões, sobretudo em função do Auxílio Brasil. A preocupação principal dos brasileiros é com a economia, e a pandemia já não está mais no rol de temores.

Vamos aos detalhes:

  • A intenção de votos em Jair subiu três pontos percentuais desde o começo do ano: passou de 23% para 26% ;
  • Sérgio Moro e Ciro Gomes se mantêm estáveis com os mesmos 7%;
  • No grupo com renda familiar de até 2 salários mínimos, a avaliação negativa de Jair caiu 8 pontos percentuais – de 57% em fevereiro para 49%. É uma queda expressiva, com certeza resultado do auxílio Brasil – como já disse, 400 reais é um dinheiro que faz muita diferença para quem tem pouco. E para a esquerda que adora nomear os outros de “gado”, é bom prestar atenção aos movimentos e às demandas da população 
  • A avaliação positiva do governo subiu nas três faixas de renda sondadas: até 2 SM, 2 a 5 SM, e mais de 5 SM
  • A avaliação negativa de Jair também caiu entre os católicos (de 57% para 53%) e entre os evangélicos (de 37% a 34%)
  • Em todas as faixas de renda, aumentou a proporção dos que avaliam que o governo de Jair está melhor do que o esperado
  • Entre os eleitores que votaram em Jair em 2018 e que agora recebem o Auxílio Brasil, 23% acham que o governo está pior do que o esperado – em fevereiro, esse percentual era de 45%; e 31% acham que o governo está melhor; ou seja, um forte impacto positivo para o governo. 
  • Na espontânea, Lula tem 27%, Jair tem 19% (subiu três pontos desde a sondagem de fevereiro).
  • As mulheres seguem votando em Lula – 48%, contra 20% que votam em Jair
  • Em relação à escolaridade, a menor diferença entre os dois principais candidatos é relativa a quem tem ensino superior ou mais: nessa faixa, 34% votam em Lula, e 28% dos que têm ensino superior ou mais votam em Jair Bolsonaro
  • Em relação à renda familiar, a maioria dos que ganham até 2 salários mínimos vota em Lula: 54% contra 19% de Bolsonaro. Para a faixa de renda de mais de 5 SM, essa diferença cai para 5 pontos: 37% (Lula) x 32% (Bolsonaro)
  • Intenção de voto em relação à religião: maioria dos evangélicos vota em Jair, mas Lula tem bom alcance.

  • Em relação às regiões do país, Lula ganha de Bolsonaro no Nordeste (60% a 15%), Norte (43% a 30%), Sudeste (42% a 26%) e Sul (35% a 29%), e perde no Centro-Oeste (29% a 39%). O agro é pop é bolsonarista raiz
  • Para a maioria dos brasileiros (51%) o principal problema do país é a economia, a pandemia já saiu do rol de preocupações. E em quatro dos principais problemas elencados (economia, desemprego, questões sociais e saúde/pandemia), a  maioria afirma que Lula é o único capaz de resolver; mas no quesito corrupção, a maioria (45%) acha que Jair é o único capaz de solucionar
  • A razão principal do voto para 43% dos brasileiros é a situação econômica do país; para 17%, a principal razão do voto é a gestão no passado. Ou seja, não há memória do que foi, há apenas a experiência do presente. A memória é algo que pode ser ou não trabalhado pela mídia – e se não há ligação história dos fatos, não há memória.
  • A avaliação em relação à economia, a percepção negativa, vem diminuindo desde novembro de 2021 – naquele momento, para  73% dos entrevistados, a economia do país havia piorado; hoje, esse índice é de 60%. Vejam a evolução:

quadro 

  • Numa avaliação geral, os entrevistados não culpam muito Bolsonaro pela atuação ruim em relação à pandemia – ou seja, o problema parece se diluir, parece que era algo fora de controle
  • A pesquisa também sondou como anda a memória das pessoas em relação ao governo Lula – 25% acham que Lula fez um ótimo governo; 34% acham que ele fez um bom governo, e 12% avaliam como péssimo. E 46% dos entrevistados acham que Lula foi condenado corretamente, contra 42% que acham que as condenações foram injustas 
  • Em relação à ideia de Jair de congelar os preços dos combustíveis, a medida é celebrada pela maioria: 

Como eu já disse algumas vezes, quem está no poder e tem a máquina na mão não está fora do páreo, a não ser numa situação artificialmente construída – grandes denúncias, ações do judiciário, ações midiáticas. E Jair está sinalizando com uma agenda positiva, a pandemia acabou e a ideia de crise econômica não está dada pela mídia, numa ação também calculada. Aguardemos.