Reflexões sobre comunicação, desinformação, estratégias do discurso de informação, atuação da imprensa e letramento midiático

Boletim do JN: O assunto Queiroz reaparece, num viés bem interessante | 2.7.2020

O assunto Queiroz reaparece, num viés bem interessante – implica Flávio, mas não implica Jair, que segue aparecendo num viés relativamente positivo no jornal. Algumas observações e a grade em seguida

COVID EM DUAS FASES

As notícias sobre a Covid-19 estão se dividindo pelos dois primeiros blocos. Nessa edição, o primeiro bloco, após o balanço dos números, com a subida estratosférica, traz uma serie de matérias destacando pesquisas relevantes sobre o tema.

Algo como se a ciência fosse a única capa de traz algumas boas notícias nesse momento. A Primera destaca o estudo da Universidade Federal de Pelotas, feita com moradores das 100 maiores cidades brasileiras, que mostra que números da doença no Brasil podem ser até 6 vezes maiores.

Matéria bem detalhada, que aponta por exemplo que os 20% mais pobres têm o dobro dos casos dos 20% mais ricos da população. O ex-secretário do Ministério da Saúde na gestão Mandetta, Wanderson Oliveira, apareceu para dizer que, em março, já havia uma previsão de que se a s medidas corretas não fossem tomadas, o Brasil atingiria a marca de 100 mil mortes. Matéria bem detalhada.

Depois, estudo mostra que Sobral é a cidade do país com a maior proporção de contaminados – 1 em cada 4 já contraíram a doença. Em seguida, estudo da USP, que faz parte do projeto Genoma Humano, quer entender por que algumas pessoas, mesmo expostas ao vírus, não contraem a doença, se há um perfil resistente ao vírus.

Na sequência, pesquisadores encontraram partículas do novo coronavírus em duas amostras de esgoto colhidas em Florianópolis em novembro, dois meses antes do primeiro caso descrito no Brasil, estudo feito pela Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidade de Burgos, na Espanha (além de uma startup).

E pesquisadores da Fiocruz estão desenvolvendo um sistema com uso de inteligência artificial pra reconhecer a tosse do paciente com Covid. A ideia é desenvolver um aplicativo. Os pesquisadores começaram a coletar registros de tosse em todo o país. Qualquer um com mais de 18 anos pode participar da pesquisa. Basta gravar com o celular ou computador o áudio da tosse e enviar pela internet.

Ao todo, foram 14 minutos da mais pura pesquisa brasileira de ponta. Só depois aparecem os números do Ministério da Saúde.

No 2º bloco, o foco recai sobre as aberturas inconsequentes. Pra começar, matéria sobre decisão da Justiça em Goiânia, que suspende decreto que determinava fechamento alternado do comércio. Assim, as atividades não essenciais poderão reabrir de acordo com as regras de segurança contra a Covid. Depois, um Bonner meio indignado anuncia que três dias depois de decretar estado de calamidade por causa da Covid, o governador Ibaneis Rocha, do DF, autoriza a abertura total das atividades não essenciais. Depois, a terceira fase da flexibilização no Rio, com abertura de bares e restaurantes.

OBS: São Paulo também autorizou a reabertura de bares e restaurantes num dia em que a cidade bateu novo recorde de casos e número de mortes.Mas isso não foi sequer mencionado. Nada daquele palanque para Doria e sua equipe ultra capacitada. Nem uma palavrinha.

AUXILIO EMERGENCIAL

A propaganda gratuita para o governo em horário nobre acabou-se. Na edição, apenas breve nota, de 36 segundos, para falar que o prazo para inscrição se encerra hoje.

ECONOMIA

Foco em boas notícias: produção da indústria cresce 7% em maio, em comparação com abril.

QUEIROZ VOLTA À CENA

Em grande estilo, ele aparece ocupando 10 minutos da edição. Primeiro, foco no segundo depoimento sobre o suposto vazamento de operação da PF, a Furna da Onça, em que ele muda um pouco o tom – antes, falou que não tinha havido vazamento; agora, diz que ele não sabe dizer se houve ou não vazamento porque ele não tinha conhecimento.

A matéria recupera todos os detalhes, inclusive trazendo Paulo Marinho e sua denúncia, e expõe bastante Flávio Bolsonaro, que deve depor na próxima semana, junto com a mulher, na investigação sobre a rachadinha. E o promotor que ouviu Queiroz disse que, mais do que nunca, as investigações devem prosseguir.

A segunda matéria afirma que o advogado Wasseff manteve controle rígido sobre Queiroz durante o período em que esteve escondido, segundo testemunhas e mensagens interceptadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. E o JN entrevistou um homem que se tornou amigo de Queiroz.

A matéria mostra mostra um Queiroz alegre e satisfeito, com a mulher e o amigo, brindando na virada do ano. E a matéria mostra que Wasseff ficava irritado se Queiroz ficava sem o celular. E mostra em detalhes mensagens da mulher dele, Márcia, dizendo que nas aguentava viver como “marionete do anjo”. E as tais informações sempre obtidas pelo JN indicam que Wasseff tentava vigiar Queiroz e Marcia. Enfim, explora-se muito a ligação bem próxima entre os dois, Queiroz e Wasseff, lembrando que Marcia também teve pedido de prisão decretado e está foragida. A família Bolsonaro não aparece na reportagem.

MEIO AMBIENTE

A destruição da Amazônia retorna com força à pauta, em duas matérias – e pelo destaque dado à fala de Jair em uma delas, na reunião do Mercosul, todo manso dizendo que vai tomar as medidas pra proteger a Amazônia, pode ser que algum ministro suba no telhado.

A outra matéria destacou o pior julho em termos de desmatamento na Amazônia e destacou estudo que mostra que em 3 décadas, Amazônia perdeu área equivalente aos estados de SC, PR, SP, RJ e ES. O Mapbiomas pesquisou a área conhecida como Pan-Amazônia, região da floresta que alcança nove países: Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Suriname Guiana e Guiana Francesa. E mostrou que o desmatamento está aumentando muito. Matéria com 4 minutos, bem detalhada, pontuou que há consequências econômicas e destacou carta de investidores estrangeiros, de um fundo com recursos de 20 trilhões de reais, que enviou para várias embaixadas alertando que acompanham com profunda preocupação a tendência de aumento do desmatamento no Brasil. O Ministério não se manifestou. Quem soltou nota foi Mourão, dizendo que vai apurar.

Importante pontuar que a preocupação com a Amazônia não é com a floresta em si – a questão é que o mundo financeiro já sacou que, no último um ano e meio, o Brasil está, de modo selvagem, destruindo a floresta, ou seja, isso impacta os negócios – o agro é pop não consegue exportar nem capim com essa política de destruição.

Aqui e acolá, vamos percebendo que a única coisa que está segurando um pouco a economia brasileira é a agricultura, então, a carta desse fundo trilionário, como mostrou a matéria, é uma caixa-d’água de água fria nos negócios. Como recordar é viver, durante a campanha de 2018, numa entrevista à GloboNews, se não me engano, Haddad falou claramente que Bolsonaro era louco de não respeitar os acordos de meio ambiente e de deixar rolar o desmatamento porque isso teria implicações comerciais de exportação sérias para o Brasil. Acho que o agro é pop deve estar repensando se deveria ter acreditado no editorial do Estadão… escolha difícil, é?

LAVA JATO

O rapaz do power point volta à cena no JN, sempre com destaque. Segundo Bonner, o coordenador da força-tarefa em Curitiba, Deltan Dallagnol, diz que força-tarefa não investigou pessoas com foro privilegiado. A manifestação ocorreu por causa de uma ação sobre lavagem de dinheiro, que exibiu os sobrenomes dos presidentes da Câmara e do Senado de forma incompleta. A investigação em questão é sobre a Odebrecht e o Grupo Petrópolis na lavagem de dinheiro ligado ao esquema de propinas na Petrobras. Dallagnol apareceu em vídeo explicando a investigação, e falou também da questão do compartilhamento de dados obtidos pelas forças-tarefas das operações, que segundo entendimento da PGR, de acordo com decisão de Moro e da juíza Gabriela Hardt, dão permissão para o compartilhamento. E a PGR foi além, afirmando que todo material obtido legalmente resulta d atuação dos membros do MPF e é entregue à instituição. Ou seja, está emparedando o poderio autônomo da Lava Jato. Dallagnol não gostou e disse que a PGR nunca havia pedido esse compartilhamento. O embate promete.

OBS: Nada foi dito sobre a denúncia da Agência Pública e do The Intercept, publicada também na Folha de São Paulo, da parceria do FBI com a Lava Jato, que contou com o trabalho de uma agente norte-americana, em 2014. Em outubro de 2015 (auge da campanha contra o governo),a agente fez parte de uma comitiva que foi a Curitiba se reunir com procuradores e advogados de delatores. Isso tudo sem passar pelo Ministério da Justiça. Nem um pio do JN

GRADE

  • Brasil ultrapassa 1,5 milhão de casos de coronavírus, mostra consórcio da imprensa
  • Número de contaminados pela Covid em algumas cidades pode ser 6 vezes maior, diz estudo
  • Pesquisa mostra que Sobral, no Ceará, tem a maior proporção de contaminados pela Covid
  • Estudo investiga por que algumas pessoas se contaminam pela Covid e outras próximas não
  • Novo coronavírus é encontrado em amostras colhidas em novembro do esgoto de Florianópolis
  • Sistema de inteligência artificial reconhece a tosse do paciente com Covid
  • Brasil registra 1.252 óbitos por Covid nas últimas 24 horas, segundo Ministério da Saúde
  • Manifestantes fincam cruzes na praia de Boa Viagem, no Recife
  • Aqui Dentro: “ser enfermeira no meio do caos é sentir um aperto no coração”
  • Justiça suspende decreto que determinava fechamento alternado do comércio em Goiânia
  • Ibaneis autoriza reabertura total do comércio no DF
  • Cidade do Rio reabre academias, bares e restaurantes com regras de distanciamento
  • Solidariedade S/A: doação de queijo, leite e outros alimentos
  • Termina hoje (02/07) o prazo para solicitar o auxílio emergencial
  • Produção da indústria brasileira cresce 7% em maio
  • Governo americano comemora criação de 4,8 milhões postos de trabalho
  • Termina isenção do pagamento da conta de luz para consumidores de renda menor
  • Queiroz depõe pela 2ª vez sobre o suposto vazamento de operação da PF no período eleitoral
  • Testemunhas e mensagens indicam que Wassef manteve controle rígido sobre Queiroz
  • PGR defende que Bolsonaro seja questionado sobre como quer depor no inquérito no STF
  • Deltan Dallagnol diz que força-tarefa não investigou pessoas com foro privilegiado
  • Grupo de deputados se mobiliza para tornar mais frouxa PEC sobre prisão em 2ª instância
  • Promulgada a emenda que transfere as eleições municipais para novembro
  • Cancelada festa que marca independência do Brasil na Bahia
  • Bolsonaro diz que Mercosul é principal veículo de inserção do Brasil na região e no mundo
  • Estudo: em 3 décadas, Amazônia perdeu área equivalente aos estados de SC, PR, SP, RJ e ES
  • Governo de Santa Catarina decreta calamidade pública por causa do ciclone bomba
  • Confira os destaques para esta sexta
  • Fórmula 1 retorna com protocolo rígido