Reflexões sobre comunicação, desinformação, estratégias do discurso de informação, atuação da imprensa e letramento midiático

BOLETIM DO JN 26-10: Pantanal, vacina e recados

A ediçao trouxe boas reportagens – como a do Pantanal – e abordagens interessantes. Vou destacar alguns pontos e apresentar a grade a vocês. 

ESPERANÇA COM A VACINA DE OXFORD

O primeiro bloco do jornal foi todo dedicado à Covid, mas puxando bem para um viés positivo sobretudo em relação à esperança trazida pelas vacinas. A primeira matéria exaltou as possibilidades da vacina da AstraZeneca Oxford, ressaltando o estágio dos testes com resultados positivos. Segundo a matéria de 3 minutos,  a “Vacina de Oxford” induziu resposta imune forte em voluntários idosos na fase dois, com menos efeitos colaterais. Matéria bem detalhada, mostrando os testes, as etapas e os resultados promissores. Tirando um pouco o grande protagonismo da vacina da China, que tomava conta do jornal rsrs.

Na linha positiva, bom destaque para a homenagem aos “heróis da saúde” no Hospital das Clínicas de São Paulo, com um painel enorme e muito bonito em uma das paredes externas.  

A média móvel mostrou resultados bem satisfatórios no Brasil, com queda acentuada. No entanto, houve bom destaque para o caos que volta a sacudir o Amazonas, com UTIs ficando lotadas por causa do aumento de casos de Covid. A reportagem mostrou os hospitais cheios, pessoas dormindo embaixo das macas.  

Muito destaque também para a situação da Europa – Itália, França e Espanha já adotaram novas medidas de lockdown, toque de recolher e outras restrições várias. Mas sem fazer ligação muito explícita com uam possível segunda onda aqui.

PLEBISCITO NO CHILE E CONSTITUIÇÃO DO BRASIL

A vitória do povo chileno, com a aprovação de uma nova Constituição, mereceu parcos 35 segundos no JN. A matéria destacou que “78% dos eleitores escolheram abandonar a Constituição elaborada em 1980, ainda durante a ditadura brutal de Augusto Pinochet. A maioria também decidiu que a Assembleia Constituinte será 100% eleita, sem nenhum parlamentar do atual Congresso”. Não houve muita problematização sobre isso. O mais interessante foi a ligação imediata com as declarações do líder do Governo Bolsolanro, que propôs nova Constituição para o Brasil, pois a atual tem muitos “direitos”, segundo ele.  

 Imediatamente. a matéria seguinte. “E no Brasil”, anuncia Bonner, “juristas e políticos criticaram o ataque do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, à nossa atual Constituição, que foi criada por uma Assembleia Nacional Constituinte depois do encerramento da ditadura militar. O ministro aposentado do STF, Carlos Velloso considerou a proposta um golpe”. E então a reportagem mostrou a fala de Ricardo – que obviamente não entendeu nada do que ocorreu no Chile – e vários depoimentos  criticando.

Mas fez também uma espúria ligação da fala e intenção de Barros, líder do governo Bolsonaro, com o PT. Mostrando imagens da sede do partido, a reportagem informou que, em 2018, o PT também chegou a propor uma Constituinte e somente recuou  depois de receber muitas críticas. Referência esquisita e aleatória no meio da reportagem – só se justifica por aquela intenção de colocar ambos os governos no mesmo rol para o país..

Corte a seguir para uma fala grande de Barroso defendendo a Constituição. Rodrigo Maia aparece em sequência também defendendo e criticando a  fala do líder de Bolsonaro.  

PANTANAL QUEIMANDO

Uma reportagem especial muito boa, de 10 minutos, mostrou que “Pantanal, maior planície alagada do planeta, está sendo destruído como nunca se viu antes”. A reportagem, de Cláudia Gaigher e André Trigueiro, deu destaque à onda de queimadas – ressaltando a ação humana intencional e como funciona – e mostrou que a região ainda não se recuperou da “maior tragédia da sua história”. estaque ainda para estudo de brasileiros publicado na revista Nature e a fala de ambientalistas. Reportagem bem pontuada, fazendo o link com a destruição da floresta Amazônica e do cerrado ao descontrole das chuvas no Pantanal, por exemplo. E pontuou muito bem a origem dos incêndios – mais de 90% provocados ilegalmente. Claro que faltou uma pincelada mais forte no agro é pop, mas de modo geral, a reportagem apontou os problemas.

E uma reportagem dessas com o Trigueiro à frente – depois das críticas que anda fazendo – nunca é à toa.  

LAVA JATO E MORO

As novas indicações da PGR – 5 novos procuradores para as forças-tarefa da Lava Jato no Rio e em Curitiba – mereceram uma nota seca em 27 segundos. Claro, com a explicação de que “A indicação ocorre no momento que a PGR discute a criação de uma Unidade Nacional Anticorrupção”. Mas nada de muita repercussão ou polemização. O fato é que a PGR de Bolsonaro está desidratando a Lava Jato.

Mas Moro tem seu lugarzinho cativo no JN, por isso apareceu em imagem e com leitura de manifestação em rede social sobre a questão da Constituição Brasileira. Uma vez “herói” sempre “herói”. 

LULA SEM FUNDO VERMELHO

Na nota breve informou, de modo polido e muito formal – e sem imagem alusiva à corrupção – que a Defesa do ex-presidente pediu adiamento de julgamento marcado para o dia  27 no STJ argumentam que o tribunal ainda precisa designar o relator de outro pedido da defesa sobre a existência de uma cooperação entre a lava jato e autoridades dos EUA.