Reflexões sobre comunicação, desinformação, estratégias do discurso de informação, atuação da imprensa e letramento midiático

BOLETIM DO JN 17-11-21: Viagem de Lula à Europa ganha segundos no Jornal Nacional

Finalmente, a viagem do ex-presidente Lula pela Europa mereceu alguma atenção do Jornal Nacional. E isso depois de alguns dias e de encontros importantes com líderes de relevância no mundo e de ser aplaudido de pé em duas instituições muito expressivas da Europa e do mundo: o Parlamento Europeu, na Bélgica, e o Instituto de Estudos Políticos, o Sciences PO, de Paris. 

A agenda de Lula na Europa incluiu encontros com o presidente da França, Emmanuel Macron, o futuro chanceler alemão Olaf Scholz, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, o ex-premiê da Espanha José Luís Zapatero, o prêmio Nobel de Economia em 2001, Joseph Stiglitz, o premiê da Espanha, Pedro Sánchez, o ex-presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, o ex-presidente francês, François Hollande. Além da participação nos eventos e instituições citados. Ou seja, é uma agenda de chefe de Estado e deveria, portanto, interessar como pauta para o principal jornal da TV brasileira. Especialmente num momento em que o Brasil está com uma imagem péssima no exterior graças a Jair, o incomível. 

Mas, apesar de tudo isso, somente o encontro com Macron teve alguma menção no JN, e num tempo bastante pífio. A  edição de ontem dedicou 36 segundos ao evento, com referência também ao prêmio recebido por Lula.

Confiram na narração de Bonner:

“Na Europa, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva recebeu um prêmio de uma revista especializada em política internacional. Antes, ele esteve com o presidente francês Emmanuel Macron, por mais de uma hora, no Palácio Eliseu. Um porta-voz do governo francês disse que eles discutiram assuntos como crise sanitária, a luta contra o desmatamento e o combate às desigualdades. Lula já passou pela Alemanha e pela Bélgica. Na segunda-feira, discursou no Parlamento Europeu, numa conferência promovida pelo bloco social-democrata”.

Percebam que não há especificação para identificação do prêmio – um prêmio como outros de uma revista como outras – quando, no jornalismo, essa identificação costuma ser relevante para dimensionar o significado real daquela premiação. O prêmio concedido a Lula foi “Coragem Política”, e a revista é a Politique Internacionale.    

O discurso no Parlamento europeu é mencionado, mas sem aludir aos aplausos dos deputados europeus, de pé. A nota mostrou imagens de Lula e Macron e de Lula na Parlamento. Todas foram de Ricardo Stuckert. 

Numa comparação com o restante da grade, vemos que a notícia sobre a Conmebol, que suspendeu árbitros, teve também 29 segundos; a previsão do tempo ganhou dois minutos; e o lançamento de projeto da Fundação do Câncer teve 28 segundos. Cabe indagar se esses assuntos são tão mais importantes ou tão importantes quanto a viagem do ex-presidente pela Europa neste momento de crise do país e de péssima imagem no exterior. Talvez os critérios jornalísticos, como o tal critério de noticiabilidade, tenham mudado e eu não fiquei sabendo; nesse caso, fica fácil entender por que o boletim do tempo tem muito mais espaço do que a viagem de Lula pela Europa. Desculpem-me se for esse o caso. 

Até porque, se a desculpa for a tal neutralidade, vamos lembrar que a filiação de Sergio Moro ao Podemos ganhou três minutos – bastante tempo, com destaque para a fala direta do ex-juiz. Quais critérios para um e para outro evento? 

Bem, os outros eventos citados aqui que fizeram parte da agenda de Lula na Europa – encontro com o futuro premiê alemão, Olaf Scholz, aplausos efusivos no Parlamento Europeu, na Bélgica, e no Instituto de Estudos Políticos, o Sciences PO, de Paris – foram devidamente silenciados, como é de praxe pelo JN em se tratando do ex-presidente Lula.

Vamos ver como será o comportamento daqui em diante, com Moro em cena e Lula em evidência.