(Foto: needpix.com)

Boa parte de quem o fez ontem e o fará hoje execrou Dilma e Lula de um modo grotesco e injusto. Vendo os primeiros panelaços contra Bolsonaro ontem em São Paulo, fiquei pensando que foi preciso um vírus letal e assustador para mostrar à classe média quem é o presidente que escolheram para o Brasil.

Foi preciso um vírus letal e assustador para mostrar que investimento em sistema público não é pra dar ocupação a vagabundo petista.

Foi um preciso letal e assustador para mostrar que os médicos cubanos seriam úteis demais agora.

Foi preciso um vírus letal e assustador para mostrar que não dá apenas para olhar sempre para seu próprio umbigo “ain, meu filhinho é prejudicado pelo ENEM; ain, aeroporto está parecendo rodoviária” – viver em sociedade implica pensar no coletivo. E pensar no coletivo implica saber que Estado mínimo é necropolitica.

Os panelaços de ontem me incomodaram por terem sido resultado não de uma insatisfação mobilizadora que pensa no coletivo, na sociedade. Mas como ação individualista de uma classe média que sempre aplaudiu retirada de direitos quando se tratava da população mais vulnerável, “porque o Estado não pode arcar com tudo”, mas que agora sente na pele que o aclamado sistema privado NÃO DARÁ CONTA DE ATENDER. Foi essa classe média que agora bate panela que ajudou a expulsar os médicos cubanos e que dizia que eles eram comunistas infiltrados ou petistas que não conseguiam passar em medicina e tinham de ir pra Cuba e depois voltar, abrigados pela PT.

Essa classe média que deitou e rolou com o Ciência sem Fronteira, mas dizia que os estudantes pobres iam para o exterior para “fazer turismo”.
Essa classe média que mandou Dilma VTNC agora vê que, sem os investimentos dos governos petistas em pesquisa, em saúde, em educação, estaríamos já no limbo.

Estão todos em casa, gozando seus salários porque os baderneiros dos sindicatos garantiram isso. Estão vendo na pele que o livre mercado JAMAIS garantiria isso.

Desculpem o mau humor matutino. Mas a realidade é muito mais grave e complexa do que supõe nossa panela já gasta.